segunda-feira, 30 de março de 2015

sexta-feira, 20 de março de 2015

Posição da REAJVCHA-RJ sobre as temáticas: "Bareback" e "Club do Carimbo"

A Rede Estadual de Adolescentes e Jovens Vivendo e Convivendo com HIV e AIDS do Rio de Janeiro (REAJVCHA-RJ) vem se manifestar sobre as recentes matérias divulgadas por diversos meios de comunicação sobre o intitulado Clube do Carimbo, buscando elucidar informações sobre o assunto e arguir a grande mídia em relação ao que está ocorrendo, pois notamos que há interesse em dar visibilidade a um pequeno grupo e culpá-lo pela crescente epidemia de AIDS entre a população jovem homossexual. Se este for realmente o interesse, deve-se começar a analisar questões relacionadas ao Sistema de Saúde Brasileiro e suas falhas: o aspecto humano deste, que visa cuidar do acolhimento e do tratamento dos pacientes, deixa a desejar; a PEP (Profilaxia Pós-Exposição) existe há anos como política pública de saúde, não é divulgada e seu acesso é praticamente inexistente; os centros de testagem e aconselhamento (CTAs), onde devem ser realizadas ações de diagnóstico e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, foram sucateados e praticamente extintos; as campanhas específicas para homossexuais têm sido vetadas por políticos conservadores. Não se pode culpar exclusivamente a vítima quando a responsabilidade é compartilhada. Percebemos a emergência da discussão sobre a criminalização da transmissão do vírus no Brasil e entendemos que a relação sexual consentida, ainda que casual, não tem caráter criminoso e se baseia na confiança mútua entre duas ou mais pessoas. Além disso, com base em novas evidências científicas, sabemos que uma pessoa com sorologia positiva para HIV acolhida e acompanhada não abandona o tratamento com antirretrovirais, e, tendo sucesso terapêutico e alcançando uma carga viral "indetectável", tem chances mínimas de transmitir o vírus, mesmo tendo relações sexuais sem o uso da camisinha. Destacamos ainda que a prevenção combinada com a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), se amplamente divulgada e implantada com eficácia, evitaria muitos novos casos de infecção. Receamos, enfim, que o serviço de informação prestado pela mídia seja falho quando não contempla todos os conhecimentos atuais que se tem sobre o assunto e pode vir a reforçar o preconceito e o estigma relacionados ao HIV e as pessoas que vivem com o vírus.

Resposta e Pensamento Coletivo dos Membros  da REAJVCHA-RJ
Leia mais...

segunda-feira, 16 de março de 2015

RODA DE CONVERSA- Chupar ou Não Chupar és a Questão!

A Rede Jovem Rio+, convida você HSH (Homens que fazem Sexo com Homens) e aqueles que fazem e dizem que não fazem (rs..) a estar presente do Debate Chupar ou Não Chupar és a questão!

DEBATE SÉRIO E DIVERTIDO, POIS OS RITOS E DITOS DO VERBO FELAR, CHUPAR, SUGAR TAMBÉM TEM SEUS MISTÉRIOS.



Evento Facebook: https://www.facebook.com/events/821503541230918/
Leia mais...

terça-feira, 3 de março de 2015

HTLV, da mesma família do HIV?!


O HTLV é um retrovírus da mesma família fazer HIV, ele infecta a célula T humana, um tipo de linfócito importante para o sistema de defesa do organismo. 



O que é

A doença é causada pelo vírus T-linfotrópico humano (HTLV), que infecta as células de defesa do organismo, os linfócitos T. O HTLV foi o primeiro retrovírus humano isolado (no início da década de 1980) e é classificado em dois grupos: HTLV-I e HTLV-II.

Formas de contágio

A transmissão desse vírus se dá pelo sexo sem camisinha com uma pessoa infectada, compartilhamento de seringas e agulhas durante o uso de drogas e da mãe infectada para o recém-nascido (também chamado de transmissão vertical), principalmente pelo aleitamento materno. Evitar a doença não é difícil. Basta usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar seringa, agulha e outro objeto cortante com ninguém. O preservativo está disponível gratuitamente na rede pública de saúde. Caso não saiba onde retirar a camisinha, ligue para o Disque Saúde (136).

Sinais e sintomas

A maioria dos indivíduos infectados pelo HTLV não apresentam sintomas durante toda a vida. Mas um pequeno grupo dos infectados pode desenvolver manifestações clínicas graves, como alguns tipos de câncer, além de problemas musculares (polimiosite), nas articulações (artropatias), nos pulmões (pneumonite linfocítica), na pele (dermatites diversas), na região ocular (uveíte), além da síndrome de Sjögren, doença autoimune que destrói as glandulas que produzem lágrima e saliva.

Tratamento

Como o risco do desenvolvimento da doença associado ao HTLV é muito baixo, não há tratamento específico para a infecção. O paciente deve ser acompanhado em serviço de saúde especializado, para diagnosticar e tratar precocemente doenças que podem estar associadas.


fonte: aids.gov.br e drauziovarella.com.br
Leia mais...

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Oficina em Ativismo e Incidência Política por Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos - Inscrições Abertas!



DATA LIMITE DE INSCRIÇÃO para oficina no Rio de Janeiro: 13 DE MARÇO

A Anistia Internacional Brasil e o Coletivo Mangueiras – Jovens Feministas por Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – abrem inscrições para a série de oficinas de Ativismo e Incidência Política por Direitos Sexuais e Reprodutivos, que serão realizadas nas cidades do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Recife, entre março e maio de 2015.
Com o objetivo central de fortalecer a participação de jovens na promoção dos direitos sexuais e direitos reprodutivos no Brasil, as oficinas buscam criar espaços de debate e diálogo com jovens de 15 a 25 anos para ações de incidência política na defesa e promoção dos direitos sexuais e reprodutivos. As oficinas serão pautadas por uma perspectiva de direitos humanos e do desenvolvimento das habilidades de ativismo e incidência políticas em diferentes espaços. O projeto tem também como objetivo estabelecer uma rede de jovens comprometida a realizar ações de continuidade das oficinas, seja replicando as dinâmicas, seja atuando diretamente em defesa dos seus direitos sexuais e reprodutivos.
Confira as datas:
Rio de Janeiro
Período de Inscrições: 22 de fevereiro a 13 de março de 2015
Inscrições pelo endereço: http://bit.ly/DSDR_inscricoes_RJ
Data da Oficina: 11 e 12 de abril de 2015
Local: Sede da Anistia Internacional Brasil
Praça São Salvador nº 5 – Laranjeiras
Horário: de 9h às 18h

Brasília
Período de Inscrições: 16 a 31 de março de 2015
Data da Oficina: 25 e 26 de abril de 2015
Local: a definir
Horário:de 9h às 18h

Belo Horizonte
Período de Inscrições: 6 17 de abril de 2015
Data da Oficina: 16 e 17 de maio de 2015
Local: a definir
Horário: de 9h às 18h

Recife
Período de Inscrições: 15 a 30 de abril de 2015
Data da Oficina: 30 e 31 de maio de 2015
Local: a definir
Horário: a definir

A oficina contará com
2 dias de encontro (7 horas por dia);
Alimentação durante o evento;
Certificado para quem participar de 100% da oficina.
* A Anistia Internacional e o Coletivo Mangueiras oferecerão ajuda de custo de transporte.

Documentos necessários para inscrição:
Carta de apresentação;
Formulário preenchido de dados pessoais.
**ATENÇÃO: Serão aceitas apenas as inscrições com formulário completamente preenchido e carta de apresentação.

Critérios de seleção:
Ter entre 15 e 25 anos;
Demonstrar interesse em DSDR e preferencialmente com alguma experiência em mobilização;
Compromisso e disponibilidade para atividades de continuação da oficina por pelo menos 6 meses;
Disponibilidade para participar integralmente nos dois dias da oficina.
Saiba mais
Anistia Internacional é uma organização não-governamental de direitos humanos com mais de 7 milhões de apoiadores em todo o mundo. Em 2013, lançamos a campanha Meu Corpo, Meus Direitos para atuar em defesa dos direitos sexuais e reprodutivos.
Coletivo Mangueiras – Jovens Feministas por Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – é um grupo autônomo e feminista de jovens que lutam pelo reconhecimento e garantia de direitos sexuais e direitos reprodutivos como direitos humanos, em uma perspectiva integral e interseccional, a partir da valorização das diversidades.
Leia mais...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Interação Medicamentosa: Um perigo para nossa saúde?! Um APP que pode ajudar!

O que é interação medicamentosa?

Chamamos de interação medicamentosa a interferência de um medicamento na ação, na absorção, no metabolismo ou na excreção de outra substância.

As interações podem ser positivas ou negativas?
Sim! As positivas são aquelas que aumentam o efeito terapêutico ou reduzem possíveis efeitos tóxicos de um medicamento, e as negativas são aquelas que potencializam os efeitos indesejáveis ou que podem aumentar o risco de reações adversas.

Como posso saber se a interação pode me prejudicar?
Toda bula de medicações tem essa informação. É sempre recomendado que leia para ter certeza se a medicação que está tomando é segura.

Mas tenho que comprar a medicação ler a bula e só assim saber se posso tomar ou não?
Não. Existe duas formas que sugerimos. A primeira é procurar o nome do remédio no google, exemplo de busca: Bula Azitromicina
A segunda dica é maravilhosa para a interação de ARVS! Existe um app para celular chamado "HIV iChart"  com ele é possível saber quais remédios podem ser ingeridos. Veja a explicação básica para utiliza-lo:

Baixe o app: HIV iChart




















Clique em "Start Drug Interacions"




















Selecione os seus ARVs e click na seta superior direita:




















Selecione a substância que quer saber a interação e novamente na mesma seta (Ex: Cliquei em Aspirin/Aspirina)



















Veja as interações entres seus ARVs e entre a medicação selecionada, observe que VERDE: Significa interação segura; Amarelo: Interação deve ter cuidado e Vermelha: Interação perigosa


Clique na seta verde ao lado de cada combinação e leia as informações sobre a interação



















OBS: Nunca deixe de informar seu médico sobre os remédios/substâncias que utiliza no dia a dia, essa informação pode salvar sua vida!


Leia mais...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Oportunidade de formação para jovens ativistas!!! UNAIDS Brasil

O prazo para se candidatar para o “Curso de Formação de Novas Lideranças das Populações-Chave Visando ao Controle Social do Sistema Único de Saúde no âmbito do HIV/AIDS” é dia 8 de março.


UNAIDS, UNICEF e UNESCO em parceria com o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (DDAHV/SVS/MS) anunciam oportunidade na área de políticas públicas de saúde para jovens líderes!


Inicia hoje o prazo de candidatura para o “Curso de Formação de Novas Lideranças das Populações-Chave Visando o Controle Social do Sistema Único de Saúde no âmbito do HIV/AIDS”, que será realizado em Brasília de 7 a 11 de maio de 2015.

Os(as) candidatos(as) devem ter entre 18 a 26 anos, ser ativistas e/ou fazer parte de um das populações-chave e ter disponibilidade de tempo para realizar todas as atividades propostas pelo curso.

Você pode se inscrever até o dia 8 de março através do link:http://bit.ly/FormularioCurso
Para mais informações, acesse o edital completo em: http://www.unaids.org.br/…/Edital_curso_novas_liderancas.pdf
Leia mais...